quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Aquela Tag Literária #3 | Dias da semana

Heeey Gente, tudo bem com vocês?

Fui "taggeada" pela Monique do Blog Vivendo Sentimentos, para responder  esta Tag que relaciona livros com os dias da semana.

Vamos conferir minhas escolhas?

1. Segunda-feira: Um livro que você tem preguiça de começar.


Não é pelo livro em si, mas por ser uma saga enooooorme e já ter vários lançados. Então rola uma preguicinha de começar!

2. Terça-feira: Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação.


Quem nunca reclamou e tomou birra das leituras obrigatórias, né? Pois é... "Iracema" me traumatizou...

3. Quarta-feira: Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento.


Li algumas páginas, abandonei, retomei, abandonei... No momento estou tentando novamente por conta do Desafio Literário que fizemos aqui no Blog.

4. Quinta-feira: Um livro que você não recomenda.


Sim, tenho preconceito com Cury. Acho estranho pessoas precisarem ler certos clichês para "mudarem suas vidas". E, dos poucos que li, esse é o pior. =/ 


5. Sexta-feira: Um livro que você quer que chegue logo (lançamento ou compra).


Depois do maravilhoso "Águas Turvas" ( resenha ) que a Editora Quatro Cantos me mandou, já fiquei muito ansiosa pelo próximo lançamento. Espero que seja tão bom quanto! Está para chegar esses dias e, logo que eu ler, terá resenha!

6. Sábado: Um livro que você quis começar novamente assim que ele terminou.


Não sou de reler nada assim que termino. Mas se o fizesse, Extraordinário ( resenha ) com certeza seria um desses casos. Delicioso! 



7. Domingo: Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse.



Por saber que era o último, não queria que terminasse nunca!!! Por mim teriam mais uns 10! 



Gostaram das minhas escolhas? Já leram estes?
Comentem!!! <3


Blogs Taggeados:


Beijinhos e até a próxima!


Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Eliza Alvernaz |  Twitter - Skoob |  Todos os posts do autor
Pedagoga, especialista em Supervisão Escolar e Gestão de Ensino. Leitora compulsiva, libriana desastrada, apaixonada por filmes e séries, viciada em internet e corujas. Mora no interior do Rio de Janeiro, mas não desiste de ganhar e mudar o mundo!

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Sons do Brasil #7: RONDÔNIA

Hoje é sexta-feira terça-feira (8)... Salve, salve galerinha! Tudo bem com vocês? 

Eu, Vic Lima, estou de volta! Sentiram saudades?! =3

Então, como falei anteriormente, hoje é terça, dia de coluna musical, e daremos continuação ao nosso quadro:



Se você está acompanhando o quadro, sabe que já tivemos vários estados por aqui: CearáRoraimaMato GrossoMaranhãoAcre e Rio de Janeiro! Caso não, ou perdeu algum episódio, pode conferir os playlists, clicando nos nomes dos estados para seguir para os top 10!

Hoje, vamos para a região Norte! O estado desta semana tem limites por Mato Grosso a leste, Amazonas ao norte, Acre a oeste, e a República da Bolívia a oeste e sul. Sabem de quem estamos falando? Siiim, o estado escolhido é...

RONDÔNIA!!!

Sem mais delongas, vamos ao Top 10 Rondônia!

Começamos com o estilo musical que vem ganhando todo o Brasil nos últimos tempos, o Sertanejo! E para representar o estilo em Rondônia, escolhi uma dupla que vem em um crescimento substancial não só no estado, mas em regiões diversas: Gustavo e Natan! E com eles, o hit "Ai Amor".


Seguindo, trago pra vocês uma guria que me chamou bastante atenção por definir seu estilo como Lo-fi (Para aqueles que não conhecem o estilo, cliquem aqui para entender melhor)! Ela, que grava covers e músicas autorais em seu canal no Youtube, com a canção própria "Olhos Vermelhos": Marina Reis!


E pra você que curte uma vibe de pagode, tenho certeza que vai aprovar o som do Alan Júnior! Ainda mais nesse feat com o rap do Rob Brown, na canção que trago para vocês, "Mulekin"!


Como falei em outras oportunidades aqui, você vai encontrar de tudo em meio às playlists de top 10 do Sons do Brasil... Todos os estilos, sem distinção qualquer! Em prova disso, trago o rap gospel do Ministério GO2, "Rei dos Reis"! Venham ouviir!


O próximo artista tem uma particularidade interessante... Léo Nascimento, que antes trabalhava como pedreiro, foi descoberto nas ruas de Rondônia, e por sua semelhança de voz com o cantor sertanejo Eduardo Araújo, seu caso tomou proporções enormes e hoje ele faz shows como novo sucesso do sertanejo romântico! Curta "Cada Minuto"!


Dando prosseguimento na veia do sertanejo, trago para vocês a jovem Dayana Vargas, que tende a ser um prodígio da música sertaneja rondoniense! Ouçam o hit "Sou Mais Eu", música de sua própria autoria.


Por hora e delírio dos adeptos, damos seguimento ao top 10 com o rock rondoniense! Para representá-lo à altura, escolhi a banda Guerrilha Rock S/A! O que mais me chamou atenção na canção "Conflitos", foram os rifs sensacionais de guitarra e beat seguro de batera! Curtam sem moderação!


Outro nome que me chamou bastante atenção assim como a Marina Reis, em relação a covers e músicas autorais em seu canal do youtube, foi o Victor Martins! Com "Senhorita", canção que enorme comoção popular, de autoria dos rapers Motiro e Cabal, confesso que essa versão trouxe uma nostalgia sim, como a própria descrição do vídeo sugere!


"E a vibe alternativa? Não vai ter representante não, Vic?" Siiim, é óbvio que sim! E para representá-lo trouxe um mixer de rock, reggae, rap e acústico, da banda Jamrock, com a canção "Futuro Bom"! Você consegue imaginar o que daria a mistura disso tudo? Então vem conferir!


E por fim, deixei propositalmente algo para você afastar todos os móveis e puxar seu par para dançar agarradinho! Pra aqueles que não tem par, dá pra se soltar sozinho também! É hora do forrozinho, meu povo... E é Forró do Bom (Já esse trocadilho aqui não foi proposital, juro)! Dancem ao som de "A Rosa e o Beija-Flor".


E encerramos por aqui! Até semana que vem! o/

Ahhhh, quer deixar sugestões, críticas, elogios, números de telefone, whatsapp...? Usem os comentários! Responderemos todos!

Abraços! =D

Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Vic Lima |  Facebook - Twitter - Soundcloud  |  Todos os posts do autor
Aspirante à aprendiz de músico. Pernambucano, Canceriano e há 21 anos fazendo e falando besteira. Aquele que entrou pela cota de "Copiloto, Sócio e Braço direito da Idealizadora do Blog".

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Resenha | A Terra Inteira e o Céu Infinito (Ruth Ozeki)

Editora: Leya | Páginas: 462

Sinopse: O que acontece quando um diário perdida encontra o leitor certo? Numa remota ilha do Canadá, a escritora Ruth cata mariscos com o marido na praia quando se depara com um saco plástico coberto de cracas que envolve uma lancheira da Hello Kitty. Dentro, encontra um livro de Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido, e se surpreende ao descobrir que o miolo, na verdade, é o diário de uma menina japonesa, Nao. A sacola misteriosa, segundo os rumores dos habitantes, é mais um dos destroços do último tsunami que devastou o Japão e foi levado pelas correntezas até a ilha. Desde então, Ruth é tragada pela história do diário de Nao, uma menina que, para escapar de uma realidade de sofrimento – de bullying dos colegas e de um pai desempregado e suicida –, resolve passar seus últimos dias lendo as cartas do bisavô, um falecido piloto camicase da Segunda Guerra Mundial, e contando sobre a vida da avó, uma monja budista de 104 anos. O que Ruth não esperava era que o diário iria levá-la a uma viagem onde ela e Nao podem finalmente se encontrar fora do tempo e do espaço.

Suicídio, bullying, depressão, prostituição, guerras... todas as principais monstruosidades humanas juntas, nos sendo apresentadas de forma leve, nos fazendo questionar a verdadeira dimensão dos nossos sofrimentos individuais!

Com colheradas caprichadas de ensinamentos budistas, somos testados e vemos alguns pedaços nossos caindo a nossa volta durante essa leitura!

A Terra Inteira e o Céu Infinito, é um livro diferente, envolvente que desde a primeira linha já te captura para dentro da história nos deixando com os olhos marejados e coração apertado.

Naoko, era uma adolescente japonesa criada nos Estados Unidos, quando viu sua vida desmoronar depois de ter que voltar para o Japão, onde era considerada uma estrangeira e sofria torturas na escola.

Como se não bastasse, seus pais estão ocupados demais curtindo cada um seu próprio sofrimento, enquanto a menina sofre cada dia mais com um pai suicida, uma mãe distraída e uma vida despedaçada e sem sentido!

O livro nos faz pensar sobre tempo, vida, morte e nosso controle sobre nosso tempo, nossa vida e nossa morte.

Entre as narrativas doces e sofridas de Nao, temos a leitora Ruth, que divide suas angústias conosco para saber quem era aquela adolescente e se questionando sobre como poderemos salvá-la.

Ruth encontrou o diário de Nao na praia da pequena ilha do Canadá, onde mora com o marido e um gato, ela pensa que ele fora trazido junto com os destroços do tsunami do Japão que se espalhava pelo oceano Pacífico.

A leitura nos leva para dentro de nós mesmos, levanta questionamentos e promove uma luta por nosso crescimento interior e nossa conexão com o universo.

Em alguns momentos, o livro parecia ser mágico! Era como se tudo aquilo tivesse sido escrito apenas para mim e para mais nenhuma pessoa no mundo inteiro.

Ele invadiu minha vida e falou diretamente com a minha alma!

E como leitora apaixonada e escritora dedicada, me emocionei com a mensagem que o livro nos passa sobre o poder das histórias! São elas seres-tempos, que atravessam gerações e modificam pensamentos, mudam os destinos de tantas pessoas que seriam outras se não fossem pelo que se mantém escondido dentro de cada amontoado de palavras!

Como diria a própria Jiko:


“Escritor, leitor, tudo a mesma coisa!”

E como diria Não:

“Juntos poderemos fazer mágica!”



“...alguma coisa estava se abrindo dentro de mim, ou talvez o mundo todo estivesse se abrindo para me mostrar algo realmente importante que havia por baixo. Eu sabia que estava só vendo uma pontinha de nada, mas era maior do que qualquer outra coisa que eu já tinha visto ou sentido na vida.” (p.423)


Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Pit Larah |  Facebook - FanPage - Projeto  |   Todos os posts do autor
Autora do livro "Tribo do Amor", estudante de Pedagogia, dona da fanpage "Da tribo do amor" e idealizadora do projeto "Clube Literário Palavras ao Vento". Valenciana de coração, hiperativa por natureza, viciada em livros e séries, exageradamente intensa, um verdadeiro desajuste!

domingo, 25 de janeiro de 2015

Resenha | Se eu fechar os olhos agora (Edney Silvestre)

Editora: Record Páginas304

Sinopse: A estreia do jornalista Edney Silvestre na ficção, com a obra Se Eu Fechar os Olhos Agora, rendeu ao autor o 52º Prêmio Jabuti na categoria romance. Para tanto ele superou escritores do calibre de Chico Buarque, que concorreu com o livro Leite Derramado, e de Luis Fernando Veríssimo, com seu Os Espiões, que ocuparam a segunda e a terceira posição na premiação. Após a publicação de três volumes contendo crônicas, memórias e reportagens, o jornalista elaborou uma narrativa que retrata os confrontos vividos no Brasil dos anos 60, marcados pelas arbitrariedades, torturas e crimes políticos. Assim, Edney flagra, em sua obra, dois garotos de 12 anos, habitantes de uma cidadezinha do Rio de Janeiro, outrora região dominada pelo cultivo do café.

"Se eu fechar os olhos agora" é um romance por gênero e não porque tem um casal apaixonado e que deseja um amor eterno! Quem ler a sinopse perceberá que a história acontece em torno de um crime. Eu acrescento que "acontece" porque a história tem, acima de tudo, uma amizade muito bonita, genuína, espontânea, reveladora, descobridora e comovente de dois meninos de 12 anos. Uma amizade, aliás, daquelas típicas que todo mundo quer ter na vida.

Tem um texto fácil, dinâmico, inteligente, com os detalhes necessários e que nos faz envolver no todo. A gente procura explicações sobre o crime, mas sempre há uma surpresa vinda para nos fazer refletir novamente. Tem um desvendar surpreendente e um final lindo, como uma grande amizade precisa ter.

Os protagonistas se deparam, no mês de abril de 1961, pouco antes da instauração da Ditadura Militar, com o corpo de uma mulher, cortado em pedaços, na beira de uma lagoa. Eles não aceitam a justificativa oficial do assassinato, que incrimina o cônjuge da vítima, um dentista, considerado fisicamente incapaz, pelos adolescentes, de ter cometido o crime; a motivação seria uma crise de ciúmes.

Os meninos se unem a um idoso que habita no asilo do mesmo município, um antigo prisioneiro político durante a Ditadura do Presidente Vargas, e passam a procurar clandestinamente os verdadeiros culpados. Os garotos pertencem à classe média baixa, em uma cidade ainda dominada pelo sistema coronelista; um é descendente de açougueiro, e o outro de um trabalhador da ferrovia local.

A história acompanha o desenvolvimento emocional dos dois, que passa por vias sinuosas, desde um estado de inocência original até a perda desta condição, quando eles descobrem o que realmente aconteceu. A verdade envolve a revelação de eventos político-sociais que caminham nas sombras, a manifestação de uma realidade que oculta, entre outras coisas, a hipocrisia da sociedade local.

Neste enredo comovente o escritor demonstra, do alto de sua vivência jornalística, que as aparências sempre ocultam uma realidade paralela, na qual os fatos transcorrem bem distantes do olhar público. Esta é uma das facetas existenciais que se desvela diante da mente atenta e curiosa dos dois protagonistas.

De um lado, tudo parece se desenrolar inocentemente, como se o mundo passasse por um reencantamento. O Homem se dirige à Lua, representado pelo russo Yuri Gagarin, e essa viagem descortina novas promessas no campo da tecnologia, além da possibilidade de um mundo melhor.

De outro, os meninos se defrontam com violência, crueldade, um poder inacessível, capaz dos piores crimes, que normalmente permanecem impunes, tudo mesclado a perversões sexuais, deterioração da vida política, em um contexto histórico no qual o país ingressa na era industrial.

Edney Silvestre teceu sua obra ao longo de seis anos, dosando ingredientes de uma boa novela policial, dados históricos e romance de formação, gerando, assim, uma narrativa arrebatadora e pungente, capaz de prender o fôlego do leitor das primeiras páginas até a última linha; além disso, feito extraordinário, conquistou de tal forma a crítica que o livro lhe valeu o cobiçado Prêmio Jabuti.


Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Natalia Menezes |  Twitter  |  Todos os posts do autor
Amante de futebol, música, filmes e livros, sempre foi apaixonada por histórias, seja lá de qual maneira forem contadas. Ama tanto lidar com o abecedário em forma de frases e parágrafos, que acabou se formando em Letras.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Desafio 642 | Tema #12


Desafio #12:
"Cleptomania"

Desde pequena tenho mania de roubar pequenas coisas. Comecei pegando doces na lojinha da esquina, depois passei a roubar pequenas coisas em lojas grandes. Nunca fui pega.

Hoje em dia passei a roubar corações. Não virei uma serial-killer, nem nada do gênero. Apenas aprimorei minha capacidade de não me apegar à absolutamente nada. Quando encontro alguém venerável uso seus sentimentos da maneira que bem entender, depois apenas descarto como fazia antes com os objetos que pegava.

Não tenho remorso, vejo isso como parte da vida: existe pessoas que ferem e as que serão feridas. É a lei natural.

Se você ainda não sofreu com um coração roubado e descartado, espere pois sua vez chegará.
Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Amanda Lira |  Twitter - Blog - Instagram |  Todos os posts do autor

Sonhadora, pensativa, teimosa e indecisa. Escreve o que sente e o que vê. Há 19 anos neste mundo, Paulistana e Sagitariana.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Sons do Brasil #6: RIO DE JANEIRO

E galerinhaa! Coé, tudo beleza?

Como geral sabe, hoje é terça-feira, logo, dia de coluna musical aqui no blog, com esse que vos fala: Vic Lima!

Estamos de volta com mais um episódio do meu, do seu, do nosso:



Pra quem perdeu o episódio da semana passada do nosso quadro, o Top10 Acre, eu deixei no final do post uma pequena dica de qual seria o estado dessa semana! Quem pegou a charada, se ligou na hora!

Foi algo do tipo: "Esse estado ainda continua lindo..."

Pois bem, vamos então explanar mais sobre esse estado!

Primeiro representante da região Sudeste aqui no quadro, esse estado limita-se ao leste e sul pelo Oceano Atlântico, ao norte e ao noroeste por Minas Gerais, ao nordeste pelo Espírito Santo, e ao sudoeste por Sampa. 

Ficou fácil né? Óbvio que estávamos falando do...

RIO DE JANEIRO!!!

Terra da Bossa Nova, do Samba e palco principal do estrondoso sucesso que é o Funk Carioca, confesso que deu trabalho pra fazer esse top 10. 

VEEEEEEEY, é muita coisa boa, muito artista de qualidade, muito som que todo o mundo precisava ouvir... Foi uma tarefa árdua, mas aos trancos, barrancos e pesares - e com uma ajuda da nossa linda, sensacional e espetacular, chefa suprema, Eliza Alvernaz (Puxo o saco mesmo! Me deixem! HAHAHAHA) -, cheguei à um consenso comigo mesmo do que trazer pra vocês.

Então, vamo lá?

Pra início de conversa, estamos chegando em fevereiro, pertinho do Carnaval (VEM CARNAVAL! *___*), e com essa temática em seu título, resolvi abrir o top 10 Rio com "Triste quem só é feliz no carnaval", desse artista que eu não conhecia até então e só de ao ouvir à primeira vista vez e reconhecer um toque de alternativo e experimental do Los Hermanos, já me tornei um fã árduo: Feroli!


Seguindo, resolvi trazer o sambalanço, hip-hop e swing de um grupo lá do Vidigal, formado por ninguém menos que Marcello Melo Jr., Jonathan Haagensen, Roberta Rodrigues e mais uma galera sensacional... o Melanina Carioca! Eu poderia escolher entre vários hits, mas resolvi trazer um dos mais recentes lançamentos: "Deixa se envolver"!


Nesse próximo, tivemos o dedo a primeira indicação da nossa chefa mais querida do Brasil! Carioca que já teve passagens em apresentações na tv e coleciona parcerias de composições com ninguém menos que Seu Jorge, Pedro Luís (dos grupos PLAP e Monobloco) e uma regravação de Rodrigo Amarante. Apresento-lhes, ela que antes atendia pelo pseudônimo Anna, e hoje é Anna Ratto, com seu hit "Bailarina do Mar" em mashup com a canção "D'Oxum".


Partimos então para o sertanejo universitário. Siim, nas terras cariocas tem sertanejo universitário também! E o escolhido para representar o estilo no top 10 Rio, é ele que tem tudo pra ser um dos novos grandes prodígios do sertanejo: Victor Yuri! Ouçam um dos seus novos hits, "Por Você"!


A próxima escolha eu poderia definir, mas deixarei por conta deles mesmo! "São 5 anos de estrada. E apesar desse tempo, uma pausa de pouco mais de um ano para mudar. É um Velho que gosta do novo. Embora esse trocadilho pareça fácil, ele reflete exatamente o espírito que hoje envolve a banda: a constante mudança. Mudança da formação, mudança no jeito de fazer música, mudança na sonoridade... Mudança!" Com vocês, Velho Irlandês cantando "Nada Nunca Vai Mudar"!


O melhor de todo o 'trabalho' que envolve essa pesquisa de artistas de todos os estados, é a quantidade de coisa boa e sensacional que às vezes a gente nem sabia que existia ou conhecia, mas só de bater o olho ou ouvir de primeira, já sabe que o quanto é bom! Um desses casos, é o da banda Le Raleh! Tem tudo pra estourar e ter um sucesso estrondoso, gente! Ouçam aii "Tá Na Moda" e me digam se eu estiver errado!


E aqui temos mais um dedo uma indicação da nossa chefa! É óbvio que acima de qualquer top 10, não poderia faltar o funk carioca aqui, né meu povo?! Mas quem trazer pra representar o estilo?! Foi aii que a Eliza entrou e me trouxe ela que "não é Beyoncé, Lady Gaga e nem Madonna"... a Mc Byana! Quem é ela?! Ela aqui te fala: "Quem sou eu"!


Para cumprir a cota de Diva-da-MPB-que-canta-muito-e-já-fez-o-Vic-virar-fã, eu trouxe ela que tirando o fato de ser linda, cantar excepcionalmente bem, e ser extremamente comercial... Tem uma voz descomunal que incorpora qualquer pessoa que a ouve. Em parceria com François Muleka, na canção "Desempenho Recôncavo", trago-lhes: Taynah!


E é claro que não poderia faltar o pagode, né meu povo? Eles que estão numa crescente sensacional e tem "a faca e o queijo na mão" pra despontar como uma das grandes promessas do pagode: Imaginasamba! Ao ouvir "Escondidinho" a um tempo atrás, eu já tive a certeza que ela conseguiria alçar grandes voos, e assim está sendo!


Fechando o top 10 Rio, uma escolha que não poderia faltar aqui, sem dúvida alguma! Essa foi em comum acordo com a chefa, porque eu posso falar o quanto somos fãs desse cara! Além de ser uma dos grandes destaques da nova geração de atores que estão surgindo aii, ele é um artista completo e canta MUITO! E vamos concordar né, esse estilo funkeado e swingado, misturado a uma boa letra e um instrumental bem executado >>>>>>>>>>> all. Acho que já deu pra perceber um pouco de como sou fã... HAHAHAHAHA Também lá do Vidigal, assim como a Melanina Carioca, Thiago Martins, ou simplesmente TG, cantando "Voo Livre"! 


É isso gentee! Encerramos o Sons do Brasil por aqui hoje! "AHHHHHHHHHH :( "

Curtiu as escolhas? O que vocês acharam? Tem mais sugestão pra gente? Deixem tudo isso lá nos comentários que responderemos todos vocês!

Pra você que quer curtir os outros episódios (Ceará, Roraima, Mato Grosso, Maranhão, Acre), basta clicar nos nomes dos estados que já passaram por aqui!

Até semana que vem! Fui! o/

Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Vic Lima |  Facebook - Twitter - Soundcloud
Aspirante à aprendiz de músico. Pernambucano, Canceriano e há 21 anos fazendo e falando besteira. Aquele que entrou pela cota de "Copiloto, Sócio e Braço direito da Idealizadora do Blog".

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

1 filme por semana | 4/53: "A Onda"

Oi gente!! Tudo bem com vocês?

O filme da coluna de hoje é bastante diferente de todos que já resenhamos/indicamos aqui no Blog. Vamos conferir?

domingo, 18 de janeiro de 2015

1 filme por semana | 3/53: "A família Bélier"

Oi, genteeee! Tudo bem? 

Hoje é dia de filme, e eu tenho muito prazer em dividir com vocês a escolha de hoje! VEM!

Sorteio | Livro + Marcadores

Heeey gente, tudo bem com vocês?

Trazemos hoje uma super novidade: O blog Três Leitoras juntou-se a nós para presentear vocês! =D

Juntos daremos a um(a) sortudo(a) um exemplar do incrível Desejo à meia-noite mais um kit com marcadores lindos! 

Gostou? Quer participar? Então fiquem atentos às nossas regras!

sábado, 17 de janeiro de 2015

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Qual a melhor escola para meu filho?

Início do ano letivo se aproximando e se tem algo que deixa as mães enlouquecidas é: 

                                                      “Qual escola escolher para meu filho?”

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Sons do Brasil #5: ACRE

Hoje é Terça-feira? Então como geral sabe, é dia de coluna musical aqui no blog! #TodosVibram

E se é dia de coluna musical, é dia de...



Dando continuidade ao nosso quadro, hoje temos um estado do norte do país. Limitando-se pelos estados de Amazonas ao norte e de Rondônia ao leste, além de fazer fronteira com a Bolívia a sudeste e o Peru ao sul e ao oeste, podemos dizer que o nosso sorteado é um tanto quanto polêmico em relação a sua existência!

Ficou fácil né?! É óbvio que estamos falando do:

ACRE!!!


Antes de qualquer coisa, preciso fazer um adendo: Para aqueles que acham e/ou duvidam que o Acre não existe, preparem-se para surpreender-se com o top 10 dessa semana! A qualidade está incrível!

Vamos começar então?!

Pra início de conversa, já vou 'quebrar a perna' de um monte gente, com o artista que trarei aqui! Isso mesmo! Pra você que ainda não sabia, trago-lhes um dos maiores mitos da música brasileira, e que por sinal, é acreano sim! E com muito orgulho! Com sua instrumental band, o mestre João Donato, com a canção "A Rã", parceria dele com ninguém mais, ninguém menos que Caetano Veloso!


E quem disse que o João Donato é o único BOOOOOM de hoje? Já vamos soltar outro, porque sim! Sabem o hit "Falsa Alegria" (Samba-canção imortalizado na voz de grandes mestres e representantes do estilo no país)? Pois bem, ele é do acreano Sérgio Souto! Deliciem-se à vontade:


Seguindo, trago para vocês o som da banda Camundogs! Como os próprios definem-se, "A Camundogs é uma banda de rock independente que leva consigo a bandeira da música urbana feita no meio da Amazônia." Com vocês, "O Termo"!


Imaginem um guitar hero junto a um performático e talentoso vocalista, um drumm hero sensacional e um bass man cheio de pegada. Imaginaram?! Pois bem! Seria impossível não mencionar aqui a qualidade e energia do regional com o contemporâneo som "Bluesão Rosa", da banda Mapinguari Blues!


E já que estamos na linha da imaginação, o que vocês acham que daria a mistura de um rockeiro, um sambista, e um historiador? Após o lançamento de um álbum e uma ótima aceitação nas redes sociais, a banda Euphônicos resolveu levar a sério o negócio! Trago deles para vocês a canção "Por Acaso"! Curtam muitoo!


Quebrando e indo para um linha totalmente diferente, trouxe para geral o beat marcado e compassado fortemente pelo rufar das alfaias, toque dos agôgôs, e swing dos agbes da Tambor de Fulô! Venham curtir o maracatu, meu povoo!


Então vamos à "banda que colocou o Acre no mapa da música pop/rock brasileira" por hora, segundo os mesmos se definem! Estou falando da banda Los Porongas! Começando a se apresentar em circuitos de festivais independentes, logo chamou a atenção da crítica especializada, e é óbvio que estariam nessa lista! Para vocês, "Espelho de Narciso"!


Indo para uma linha mais death/trash ou metalcore, apresento-lhes o som da Hylidae! A faixa que escolhi foi "Bleeding Out", que faz parte do álbum/debut Promiscuous World, e certamente os fãs e adeptos do estilo ficarão fervorosos ao ouví-lo!


Por hora, trago para vocês uma parceria que me chamou tanta atenção, que eu não sei explicar porquê! Acredito que por seu estilo e elementos que o compõe: É acústico ao violão, com uma letra inteligente, uma voz que cativa... Ouçam "Navio Negreiro", composição de Rodolfo Minari, e interpretada por Clara Paixão!


Por fim, porém não menos importante, e encerrando o #Top10 Acre, trago para vocês o som alternativo da banda Os Descordantes com sua canção "Enquanto Puder"! E deixarei eles se definirem, porque sim! "Descordo. Classe gramatical: Substantivo Masculino. Possui 8 letras. Possui as vogais 'e' e 'o'. Possui as consoantes 'c', 'd', 'r' e 's'. Escrita ao contrário: odrocsed. Significado: Poesia trovadoresca, em que o poeta lamentava alguma paixão não correspondida. Com sua licença, 'Os Descordantes'."


Bom, é isso meu povoo! Esse foi o nosso #Top10 Acre! 

Deixem suas opiniões, críticas, elogios e afins nos comentários! É muito importante para nós esse retorno!

Perdeu ou quer rever os estados anteriores? Já tivemos Ceará, Roraima, Mato Grosso e Maranhão por aquii! (Clique nos nomes dos estados para conferir!)

Ahhhh... Antes que eu me esqueça! Deixarei uma dica sobre o estado da semana que vem!

Esse estado "continua lindo"! *____*

Até semana que vem!

Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Vic Lima |  Facebook - Twitter - Soundcloud
Aspirante à aprendiz de músico. Pernambucano, Canceriano e há 21 anos fazendo e falando besteira. Aquele que entrou pela cota de "Copiloto, Sócio e Braço direito da Idealizadora do Blog".

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Resenha | Extraordinário (R. J. Palacio)

Editora: Intrínseca Páginas320

SinopseAugust (Auggie) Pullman nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.

Provavelmente vocês já leram mil resenhas sobre "Extraordinário" por aí. O livro virou "modinha" de 2013 pra cá e 'pipocou' nas redes sociais e, principalmente, nos Blogs Literários.

Tenho muita resistência com livros que ficam tão famosos. Acabo criando expectativas por conta de tanta repercussão e, como já me frustrei muitas vezes por conta disso, opto por não ler no "calor do sucesso".

Geralmente fujo de sinopses também, mas acabei lendo a deste livro dia desses, sem querer. E este foi mais um motivo para eu deixar a leitura para depois.

Quis tentar "esquecer" a sinopse antes de me envolver com o livro mas, como isso não estava acontecendo, iniciei a leitura nos últimos dias do ano. 

Com a sinopse, tive uma ideia pré-concebida da história. Imaginei um enredo engessado em torno de um menino com uma deformidade facial, que nunca havia estudado, sofrendo horrores no novo colégio com os novos colegas. Um roteiro bem clichê abordando bullying e nos fazendo chorar a cada frase.

Como é grande o número de resenhas por aí, entreguei-me à leitura sem pretensão alguma de trazê-la ao blog depois.

Mas é praticamente impossível passar pelas 318 páginas de "Extraordinário" e não querer dividi-lo com o mundo!!! Sendo assim, tomei emprestado o título da nossa colaboradora Pit Larah e, mesmo não resenhando-o devidamente, resolvi não me privar de dividir minhas sensações com vocês! <3

O primeiro ponto super positivo no livro é o fato de, nem de longe, ser uma lição de moral dessas 'mastigadas' prontas para que o leitor apenas engula. A leitura é deliciosa e nos faz percorrer suas páginas com suavidade e delicadeza.

A autora foi genial em cada detalhe do livro, desde a maneira como a história nos é apresentada, até a construção de cada personagem.

Tudo desenhado de uma forma inteligente, amarrando um detalhe ao outro e tornando a história ainda mais envolvente.

Em "Extraordinário", a história é narrada pela perspectiva de vários personagens, o que nos dá diferentes visões de um mesmo fato. Dessa forma, nos surpreendemos com cada um deles a todo instante. Percebemos que alguns podem não ser tão maus quanto parecem, e que um mesmo acontecimento pode ter sentido e/ou objetivos diferentes, de acordo com quem está envolvido.

Ao termos as perspectivas de cada um apresentadas pelos mesmos, nos aproximamos de uma forma muito mais intensa de cada personagem. Algo que não aconteceria nessa proporção, caso tudo fosse narrado por nosso protagonista. Eu, por exemplo, me apaixonei pelo personagem Jack. Arrisco dizer que é meu preferido dentre todos!

R.J. Palacio conseguiu construir um protagonista com várias deformidades em seu rosto, que assusta a maioria que o vê, que não frequentou um colégio até seus 10 anos de idade e precisa lidar com o preconceito diariamente na sua vida, sem cair no dramalhão. Auggie é apaixonante, inteligente, divertido e amável.

O livro retrata a forma natural com que ele muda a visão de vários colegas sobre si mesmo. Como relações são construídas e desconstruídas no dia-a-dia.
Valores ficam aparentes. Ações nos fazem refletir. Um filme passa pela cabeça e acho difícil alguém passar imune por essa incrível história!


Quando criei o Blog e resolvi fazê-lo, em parte, literário, a única certeza que eu tinha é que não iria dar estrelas, ou notas para os livros lidos. Por motivos vários que qualquer hora comento aqui... No entanto, esse vale o registro: Extraordinário é 5 estrelas!

"Nós não precisamos de olhos para amar, certo? Apenas sentimos dentro de nós." Pág. 233



Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Eliza Alvernaz |  Twitter - Skoob
Pedagoga, especialista em Supervisão Escolar e Gestão de Ensino. Leitora compulsiva, libriana desastrada, apaixonada por filmes e séries, viciada em internet e corujas. Mora no interior do Rio de Janeiro, mas não desiste de ganhar e mudar o mundo!

domingo, 11 de janeiro de 2015

1 filme por semana | 2/53: "Será que?"

Oi gentee! Tudo bem com vocês?

Hoje é dia de cinema por aqui! Como vocês já devem saber, estamos fazendo a coluna "1 filme por semana" e ela irá até o fim do ano! Pra quem ainda não conferiu, corre aqui e confira o primeiro filme visto e avaliado por nós! :)


filme escolhido pra essa semana é o descontraído "Será que?", estrelado pelo queridíssimo Harry Potter Daniel Radcliffe e a excêntrica (Só eu que acho?) Zoe Kazan.

Como acabei de mencionar, o filme é descontraído. E só!

Exemplo de filme que não tem nada a acrescentar. A trama é bonitinha e não chega a fazer você se arrepender de ter assistido, mas passa longe de ser um filme marcante, tampouco envolvente. 

A fórmula é batida, os diálogos são fracos e a impressão que tive é que estava revendo algum filme pela milésima vez na "Sessão da Tarde". 

Sabemos do talento de Daniel, e é notório o quanto ele foi desperdiçado nesse roteiro. 

O filme conta a história de Walace (Daniel Hadcliffe) que termina um namoro, abandona a faculdade de Medicina e passa a viver no sótão de sua irmã, aonde mantém o hábito de subir no telhado e contemplar as estrelas enquanto pensa na vida.

Certa noite, conhece Chantry (Zoe Kazan), em uma festa dada por seu amigo (e primo de Chantry), personagem vivido por Adam Driver. De imediato, surge uma conexão entre os dois, no entanto, Walace é alertado logo de cara pelo fato da garota ter um namorado e morar com ele. Sendo seu interesse apenas pela amizade do rapaz.

Colocado na friendzone, Walace e Chantry passam a viver situações comuns entre amigos: trocas de ligações e mensagens, conversas infinitas, passeios, etc.

Falta química entre o casal protagonista, o que dificulta torcer para que a amizade evolua para um romance. 

O casal coadjuvante vivido por Adam Driver e Mackenzie Davis, em minha opinião, são o que tem de melhor na história. Com diálogos nonsense e divertidos, tais como:

"Eu te amo tanto que queria arrancar seus braços e pernas e levar na minha bolsa".

Um filme "mais do mesmo", leve, descontraído, com pouca comédia e um romance que não convence.

Comentário Vic:

Começamos com a história de Wallace (mais conhecido por todos como o eterno bruxo mitológico HP) que largou a faculdade de Medicina após ter sido chifrado pela sua namorada com o professor, e hoje vive com a irmã e o sobrinho, e trabalha numa empresa de manuais.

Desacreditado de tudo que envolve a questão “amor”, ele vai até uma festa com o seu melhor amigo Allan, e lá conhece a prima dele, Chantry! 

É, isso mesmo que vocês já devem estar imaginando! Inevitavelmente, foi paixão à primeira vista, pelo menos pra ele. Após uma conversa e levá-la para casa, com a tentativa de que queria vê-la de novo, Wallace conseguiu o telefone de Chantry, mas com um bônus: Descobriu que ela tinha um namorado! 

Um namorado?! Isso mesmo! Que azar não?!

Ele jogou o telefone dela fora, mas o destino tratou de fazer os dois se reencontrarem. Decidido a querer tê-la por perto, pois sabia que ela era uma garota muito especial, Wallace se conformou em ter Chantry apenas como amiga, afinal, não queria estragar a vida perfeita dela.

Mas e quando não conseguimos controlar nossos sentimentos, o que fazer? Wallace começou a enfrentar um grande dilema sobre a sua situação. Se ele fosse pra cima de Chantry, estaria agindo como um imbecil; se revelasse o que sentia, podia perder a amizade dela; mas se não fizesse nada, poderia estar abrindo mão do grande amor da sua vida.

Em meio a situações e momentos entre os dois e os que os cercam (Não contarei! Vejam o filme! HAHAHA), a história desenvolve-se e tem um andamento e final que, digamos, eu imaginei que seriam diferentes.

Resumindo: Valeria o ingresso, mas eu não assistiria de novo! Acho que é isso! :P

Sobre o Autor:
Liza Alvernaz | Eliza Alvernaz |  Twitter - Skoob
Pedagoga, especialista em Supervisão Escolar e Gestão de Ensino. Leitora compulsiva, libriana desastrada, apaixonada por filmes e séries, viciada em internet e corujas. Mora no interior do Rio de Janeiro, mas não desiste de ganhar e mudar o mundo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Equipe Epifania | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©