quarta-feira, 10 de junho de 2015

Crônica do Dia dos Namorados por uma solteira.



A grande verdade é que o temido, odiado (para os solteiros), sonhado e aguardado (para os amantes) Dia dos Namorados nada mais é que mais uma grande chance de se gastar dinheiro...em outras palavras: consumismo.

Você que está lendo este texto parou nesse momento e pensou: "Para que vou ler um texto de uma pessoa mal-amada e que certamente não tem namorado? Porque só sendo assim para no primeiro parágrafo do texto desfazer toda a mística e candura do Dia dos Apaixonados!"

Não é isso, gente! Não estou escrevendo para desfazer nada. Não é despeito, falta de namorado (se bem que isso não tenho mesmo), não sou mal-amada e muito menos acho pouco importante que um casal apaixonado tenha a oportunidade de celebrar um amor. Simplesmente acho que no fundo é tudo tão mecânico, para alguns casais até superficial, infelizmente.

Quantos desses apaixonados param realmente para pensar o quanto o outro o faz feliz e é importante na sua vida? Não vou dizer que isso não aconteça. Acontece, graças a Deus.Só que, para mim, fica claro que a primeiro coisa que se pensa é: "Ai! Não posso levar  uma blusa cor roxa porque meu namoro detesta!". Ou também: "Queria dar aquele perfume, mas minha namorada diz que quando o perfume acaba, acaba também o amor. Que palhaçada!". Dentre outros comentários que fazem a troca de amor parecer só uma "gastação" de dinheiro. Não é verdade que muitas vezes é assim?
Aí saem para jantar, dançar, transar e no dia seguinte volta os mesmos problemas regados a muita discussão e pouca solução. Pior, muitas vezes não desvencilham deles nem nesses momentos que deveriam ser quase sagrados.

O dia que deveria ser do AMOR parece até Dia das Mães. Você compra um lindo presente, diz que ama, faz algo bem agradável, diz que Dia das Mães é todo dia (o que é verdade) e no dia seguinte está brigando com a sua mãe. É ou não é Dia só para gastar dinheiro? (Porque você pensar na sua mãe com tanta importância em um único dia do ano, assim como aquele (a) que você diz ser o amor da sua vida, é dose de aceitar).

A partir do momento que você escolhe uma pessoa para dividir sua vida, esse amor tem que ser a cada segundo, porque senão não vale a pena. Eu sei que todo mundo passa por problemas, dúvidas, dificuldades e que muitos fatores interferem na relação. Mesmo assim, insisto que o Amor precisa valer a pena.
Se pararmos para pensar mais profundamente, Dia dos Namorados é tão consumismo que sobra até para a religiosidade.

Na maioria do Mundo o Dia dos Namorados é dia 14 de Fevereiro. No Brasil, é dia 12 de Junho. Já pararam para pensar o por quê? Simples: dia 13 de Junho é dia de Santo Antônio. Isso mesmo, o velho e aclamado Santo casamenteiro.

A lógica é muito básica e de raciocínio lógico: você não tem namorado? Então, no dia 12 de Junho se entupa de Chocolate e sorvete, vendo aquele filme romântico que te faz encher a caixa d'água de tanta lágrima e lamentando com as outras amigas solteiras o porquê do seu príncipe não ter chegado ainda. Ahhh, claro! Invejando a vizinha que ganhou do namorado uma cesta de café da manhã, um buquê de rosas surpresa durante o expediente no trabalho, um Outdoor com a frase: "Mariana, eu te amo!" e de noite recebe seu amado em casa para um suuuuper jantar. Ele levando uma cesta de chocolates e um belo vinho. Ela romântica terminando o prato preferido do bofe. Você se ruendo de raiva porque eles farão amor a noite inteira.

Aí você e suas amigas (na mesma situação) combinam de no dia seguinte irem à missa de Santo Antônio exigi-lo um príncipe encantado. Afinal, não é possível que essa sorte é só da vizinha!!!

Vocês se arrumam toda, colocam uma roupa ótima (afinal, na igreja pode ter um solteiro beeem gato e ser seu príncipe perdido) e vão cheias de esperanças. Assistem à missa, clamam a Deus e a Santo Antônio como nunca fizeram na vida, compram o bolinho do milhar de Santinhos, compra o maior Santo Antônio que tem a venda para colocar no seu quarto e um menor para fazer suas mandigas. Porque é fato que o pobre coitado do Santo Antônio vai fica de cabeça para baixo: num copo d'água, no freezer, no forno, na privada...Se bobear prometem até mandá-lo dia 31 de dezembro como oferenda à Iemanjá.  Depois quase cai na porrada com as outras encalhadas para conseguir chegar ao Santo e encostá-lo com o intuito de seu pedido ser atendido mais rápido. Além disso, quase pula em cima de todas as outras para que o maior jorrão de água benta seja em cima de você. E não sai da Igreja sem disputar ferozmente com todo mundo um espacinho para acender uma vela pedindo o tal sonhado namorado.
Vale tudo...absolutamente TUDO para que no próximo ano você tenha alguém com quem comemorar esse dia, não ter mais inveja das outras, não lembrar mais de Santo Antônio e menos ainda ter que passar por todo esse perrengue para que se possa casar  (vale ressaltar que nem todo mundo é assim... Então, se você que está lendo não é, não se ofenda. Se você que está lendo é, não se ofenda também. O importante é ser feliz assim).

As mulheres dizem que faltam "homem na praça". Na verdade, não faltam homens, faltam BONS PARTIDOS. Encontrar homem é fácil. Vai a uma micareta para ver se você não encontra!?! Encontra e muitos. Aliás, nem precisa de micareta, fofa. Vai para a balada toda trabalhada na gostosura, que aparece. Agora, os bons partidos...Ai ai ai!
Sem contar que mulher não pode JAMAIS esquecer que existe o histórico de que homens pensam mais com a cabeça de baixo do que a de cima. Nem sempre concordo, mas é bom ter isso em mente para caso seja necessário. Há também aquela ideia que os homens insistem em confundir MULHER com piriguetes e por isso, muitas mulheres acabam sempre perdendo os "melhores". Eu sei que homens só possuem 3 inteligências (segundo estudos), mas mesmo assim não é difícil destinguir as duas espécies. Até porque, MULHER e periguete são beeeeeeeeem diferentes. Também não sei se concordo completamente com isso, mas também é bom ter em mente, caso seja preciso.

Estes, inclusive, quando solteiros pouco se importam com o Dia dos Namorados. Estou falando por experiência própria.

Uma vez passei por uma situação horrível no Dia dos Namorados. Eu estava ficando com um garoto. Estava COMPLETAMENTE APAIXONADA! Sabe completamente apaixonada? Então, era isso. Ele me chamou para ir num show com ele justamente nesse dia. Disse que iria com uns amigos e que queria que eu fosse. Me empolguei num grau máximo, preciso falar? Acho que não. Fui. Feliz. Sorridente. Radiante. Apaixonada (já falei que estava apaixonada por ele? Bem, estava).

Chegando lá, dei de cara com ele e seus dois melhores amigos. Ok, ele disse que iria com amigos, mas não achei que seria tipo "clube do Bolinha + eu de penetra", afinal, era Dia dos Namorados, ele me convidou e para um show de Pagode "corta os pulsos". Respirei fundo e encarei o trio: meu amado e os amigos queridos (que para mim eram os verdadeiros penetras da história).

Resumo da ópera: os amigos não saíram do nosso pé, eu não dei um beijo sequer nele no Dia dos Namorados e voltei MUITO frustrada e raivosa para casa. Queria esganar os amigos. Na verdade, queria esganar os três. Poxa! Era Dia dos Namorados, isso mesmo, 12 de Junho. Ok, ele não era meu namorado, mas a gente estava junto, eu estava apaixonada e ele queria que eu saísse com ele no Dia dos Namorados.

Enfim, Foi traumático. Juro!

Talvez todo esse desencontro seja porque buscamos algo que ainda não existe: a perfeição. O mundo é tão louco, tão competitivo e as sociedades tão sei lá o que (não consigo nem encontrar a palavra certa) que até para casar ficou complicado. E por isso é possível (não que necessariamente seja assim), que deixamos de comemorar essa data como deveríamos. Já foi inventada pelos homens de forma estratégica, se não tivermos pelo menos a boa vontade de realmente fazer desse dia especial, definitivamente deixaremos a obrigação tomar conta da emoção. Aí, queridos, ferrou de vez! (risos).

O que eu quero dizer com tudo isso é que Dia dos Namorados não pode ser levado como "mais uma data" onde se compra presentes. É um momento para celebrar algo que não vemos mais: sentimento explícito. Sentimento verdadeiro. Sentimento por ser simplesmente sentimento.

Presente é muito bom? É! É uma forma de alegrar e homenagear quem gostamos? É!
Mas, esse ano, eu proponho que os casais apaixonados não se deem presentes. Em vez disso, saem para ficar juntos, se permitam passar momentos novos, únicos, diferentes e muito especiais com o intuito de simplesmente (e maravilhosamente) compartilharem a presença e o amor um do outro.
Romântico não?! Eu acho, confesso! E é esse romance que realmente quero para mim.
Pensem nisso!

Enfim...



Sobre o Autor:
Liza AlvernazNatalia Menezes |  Twitter  |  Todos os posts do autor
Amante de futebol, música, filmes e livros, sempre foi apaixonada por histórias, seja lá de qual maneira forem contadas. Ama tanto lidar com o abecedário em forma de frases e parágrafos, que acabou se formando em Letras.

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Hahahahahah ameeeeiiiiiiiiiiiiiiii!!!!! To contigo, Nat, sem tirar, nem pôr! ............. mas... será que eu devo recorrer ao Santo Antônio? O.o
    Beijo!!!!!!!!!!! XD
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Equipe Epifania | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©