1 de junho de 2015

Resenha | A cidade das sombras dançantes (Pedro Veludo)

Título: A cidade das sombras dançantes
Autor: Pedro Veloso
Editora: Quatro Cantos
Número de páginas: 192


Sinopse: D. Eronquínea acordou com o maxilar inferior destroncado e a cabeça para os pés da cama. Esses dois fatos, somados, não eram bom presságio. Assim começa a história que se passa em Cidade Nova de Santa Lúcia dos Milagres. Conforme vamos conhecendo as peculiaridades da rica galeria de personagens — às vezes trágicos e reais, outras fantásticos e hilariantes — , passado e presente se fundem na narrativa, que aos poucos vai revelando os trágicos vaticínios pregressos. Mas qual infortunado personagem estará envolvido na próxima tragédia prenunciada por D. Eronquínea nessa cidade onde as sombras dançam ao sol do meio-dia? 







Olá, tudo bem com vocês?




Como vocês devem ter visto pelas redes sociais, recebi da Editora Quatro Cantos o livro "A cidade das sombras dançantes" há mais ou menos um mês. O livro não é grande, são apenas 190 páginas e a diagramação é excelente, o que sempre contribui para que a leitura flua melhor. No entanto, não é um livro para se ler rapidamente. Explico: a narrativa de Pedro Veludo é extremamente envolvente, mas muito original também, o que faz com que a gente precise parar e repensar no que acabou de ler para que tudo seja ainda mais significativo.

O autor criou um cenário totalmente intrigante, com personagens que beiram o surreal sem perder, nem por um momento, a criatividade e capacidade de aprisionar o leitor em cada palavra.

Um livro que não é possível prever do que se trata pela sinopse ou qualquer resenha. É preciso mergulhar em cada página, conhecer cada personagem e suas histórias individuais que vão delineando o roteiro.

Eu não conhecia o autor e me surpreendi com a inteligência que ele constrói seu roteiro, nos levando a um mundo imaginário que torna-se cada vez mais real conforme vamos lendo.

Tudo acontece na Cidade Nova de Santa Lúcia dos Milagres onde, em dado dia, D. Eronquínea acorda com o maxilar destroncado e a cabeça para os pés da cama. Tais situações são consideradas sinais de mau presságio pois, nas outras vezes em que isso aconteceu, ela viu tragédias acometerem a cidade. D. Eronquínea é dona de uma pensão e, no dia seguinte em que assim acorda, chega para se hospedar um homem chamado Paulo, que é escritor e, aos poucos, vai inserindo em sua história, os moradores da cidade.

''Para ele, escrever é um tempero da realidade, uma espécie de luta prazerosa contra a mesmice cotidiana, contra a morte. Escreve para não morrer. Ou então porque em algum instante mágico de sua existência ficou muito perto de um papel e um lápis.'

Além de Paulo, tomam conta de nossa narrativa, Antoninho, Maria Branca, Dr. Malaquias, D. Abrenúncia. e outros personagens que nos fazem rir, pensar, se questionar e se encantar com esta obra tão peculiar e fascinante!

Pedro Veludo brinca com as palavras e nos presenteia com uma narrativa misteriosa onde qualquer palavra a mais pode vir a ser um spoiler!


Libere as sombras dançantes, encare a Cidade Nova e venha se encantar com essa obra!




Liza AlvernazEliza Alvernaz |  Twitter - Skoob |  Todos os posts do autor
Pedagoga, especialista em Supervisão Escolar e Gestão de Ensino. Leitora compulsiva, libriana desastrada, apaixonada por filmes e séries, viciada em internet e corujas. Mora no interior do Rio de Janeiro, mas não desiste de ganhar e mudar o mundo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Equipe Epifania | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©