quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Resenha | Peter Pan - Especial Infantil



Sinopse: Peter Pan conta as aventuras dos irmãos Wendy, João e Miguel na ilha da Terra do Nunca. Numa noite, ao voltarem de um jantar na casa de um vizinho, o sr. e a sra. Darling se deparam com o quarto das crianças vazio. A sra. Darling já sabia o que acontecera: Peter Pan voltara para buscar a sua sombra e acabou levando as crianças embora. De fato, Wendy acordou com o choro de Peter em seu quarto. Descobriu que ele estava triste por não conseguir ter de volta a sua sombra (ele tentara grudá-la em seus pés com sabonete). Depois de ajudá-lo costurando a sombra à seus pés, Wendy é convencida por Peter a viajar com ele até a Terra do Nunca, pois ele lhe prometera fadas, sereias e muitas aventuras. Só que, além de sua companhia, Peter estava interessado em suas histórias e em seu papel como mãe. Pois ele faz parte dos Meninos Perdidos, garotos pequenos sem mãe nem pai. E o sonho dos meninos era ter uma mãe que cuidasse deles, contasse histórias e os pusesse na cama antes de dormir.

Persuadida por Peter, Wendy acorda seus irmãos e, depois de aprenderem a voar com o pó de Sininho, a fada amiga de Peter Pan, os três partem para a Terra do Nunca. Depois de dias e de muitas aventuras em pleno voo, eles alcançam a ilha e, a partir daí, passam a conviver com os seres que lá habitam: Meninos Perdidos, animais selvagens (inclusive um crocodilo que engoliu um relógio e que por onde ele passa dá para se ouvir um "tique-taque"), índios peles-vermelhas e, é claro, os piratas. Numa trama repleta de intrigas e alianças, esses grupos vivem se metendo em aventuras e confusões, sempre existindo uma briga na qual os Meninos Perdidos se metem.

Eu nunca tinha lido Peter Pan. Eu sei, uma leitura indispensável, mas que eu nunca tinha feito e, hoje, fiquei muito feliz por realizá-la. Ainda tinha na cabeça a ideia do desenho de Peter Pan da Disney e foi bom ver que a história me oferece muito mais.

Como todos sabem, Peter Pan, do autor J.M. Barrie é um grande clássico infantil. Poderia até ser considerado um grande clássico mundial. É tão cheio de coisas a se ensinar, que já começa nos dizendo que o início do nosso fim é aos 2 anos, pois é a idade que descobriremos que um dia deixaremos de ser crianças e passaremos a ser adultos. E, apesar de muitos dizerem que não veem a hora de serem adultos, a verdade é que no fundo ninguém quer deixar de ser criança.

Peter é a representação desse sentimento, dessa vontade de nunca perder a alegria, a vivacidade, a esperança, os sonhos de criança. E a partir da história dele, muitas pessoas conseguem enxergar como é bom e necessário viver essa fase da vida.

O que tenho para falar primeiro é da construção da família. Um homem preocupado com as finanças, uma mulher que consegue viver adequadamente naquela sociedade, três filhos programados e estudados para existirem, sendo usado até termos engraçados para mostrar suas chegadas, uma necessidade de prestar contas a sociedade, inclusive tendo uma babá – mesmo que esta seja a cadela Naná – já que todos têm um babá.

Sobre a Naná, é engraçada sua construção, pois ao mesmo tempo em que a gente sabe que é um cachorro, ela traz características e comportamentos humanos, como pensar e conseguir dar conta dos horários e necessidades de Miguel, Wendy e João.

Há situações no livro que também merecem destaque como: a mãe conseguir ver e organizar os pensamentos dos filhos. É como se ela conseguisse prepará-los para o que estar por vir e, ao mesmo tempo, se prevenir do que eles sentem e pensam. Outro ponto seria a sombra de Peter conseguir ser pega, dando a ideia que uma parte nossa pode ser "descolada" e viver separado, nos mostrando para o mundo. E por último, a questão da inocência das crianças. Peter Pan não tem noção do que é um beijo e Wendy consegue demonstrar o que é carinho através de metáforas.

Peter Pan é, inclusive, um personagem complexo, pois é criança, não sabe separar realidade de ilusão, mas é extremamente prepotente, mandão, com um espírito de liderança muito forte para uma criança, mas ao mesmo tempo brincalhão, com alegria, com educação. Ele é muito respeitoso com Wendy por ser menina, dando valor ao sexo oposto e, no fundo, demonstra muito carinho por todos que te cercam: Meninos Perdidos, índios, Fadas e Sereias. É a representação de que as crianças sempre são injustiçadas pelos adultos. Ele também se esquecia das coisas vivia e das pessoas que conhecia. Uma marca muito clara da infância. Com o tempo, a gente perde as memórias. E também sempre usava o presente e nunca o passado.

Algo que para mim foi muito bem elaborado no texto, foi a questão do Narrador dialogar com o leitor, deixando claro o que estava por vir. E a todo tempo a gente tem essa proximidade com ele, como se a gente entrasse mesmo na história, como se estivéssemos em cima de uma nuvem ao lado do narrador assistindo e comentando todos os fatos. Ele é tão presente, que apesar de torcer por Peter, ele sempre vê e se coloca na posição do Capitão Gancho também.

Outra personagem que pode surpreender – ainda mais as gerações mais novas – é a Sininho. Nos filmes feitos para ela, a fadinha é sempre muito boa, muito amiga, muito generosa. E de fato é o que esperamos das Fadas. No entanto, Sininho é ou muito boa ou muito má. Tem ciúmes do Peter enorme, um ciúmes de homem e mulher, nem parece que é uma criança e um ser sobrenatural. Isso, a meu ver, mostra que esses sentimentos são construídos em nós ainda pequenos, na nossa infância.

Aliás, Peter é "o rei da cocada preta", pois não só Sininho tem esse sentimento por ele, Wendy e a índia Tigrinha também compartilham desse interesse, paixão e ciúmes. Inclusive, Wendy, por ser a única menina do bando de Peter, sempre foi vista como mãe dos meninos e até mesmo do próprio Peter Pan. O mais engraçado é que ao longo da história, o menino que tem o papel de líder, passa a dividir o papel de filho de Wendy, mas de pai dos outros meninos, como se ele e a menina, mesmo crianças, fossem um casal.

O personagem do Capitão Gancho é muito interessante, pois ele não é de todo mau como aparece nos filmes. Ele tem um lado humano. Tem medo do crocodilo, não trata mal os outros piratas como esperávamos, tem motivos para não gostar de Peter, apesar de ser adulto, sempre caía nas brincadeiras de Peter Pan como "um patinho" e junto com os outros piratas, queria que Wendy fosse sua mãe como ela era para os meninos. Ele é mau? Mas tem seus sentimentos divididos também. Acho até que tem um pouco da representação do que somos hoje. Ninguém é completamente bom, nem completamente mau, mas muitas vezes escolhemos um lado e Gancho escolheu o de ser vilão.

É importante falar que ele, Gancho, sempre chegava aos meninos por eles não terem mãe. Como se ficasse claro a falta da família, dos princípios, das responsabilidades deixam rastros que podem ser encontrados e desvirtuados. Sobre os Meninos Perdidos, além da obediência quase militar a Peter, mesmo sem deixar de ser criança, o mais interessante deles é o fato de não lembravam o passado, mas lembravam de coisas como escrever. Achei interessante porque se lembravam de letras e números, mas não das pessoas que amavam.

Enfim, é um livro curto, com uma linguagem fácil, uma família tradicional, mesmo que com suas esquisitices, mas que está em volta de uma magia única. E o final do livro com essa presença do Peter Pan em muitas gerações dos Darling mostra como a ideia do livro é manter viva a alegria de ser criança. 

Sobre o Autor:

Liza AlvernazNatalia Menezes |  Twitter  |  Todos os posts do autor
Amante de futebol, música, filmes e livros, sempre foi apaixonada por histórias, seja lá de qual maneira forem contadas. Ama tanto lidar com o abecedário em forma de frases e parágrafos, que acabou se formando em Letras.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Pit, você tem que ler! Aposto que você vai amar!!!

      Excluir
  2. Amo tanto Peter Pan! Fico feliz por saber que tb se encantou com o livro. Morro de vontade de comprar essa edição <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, é uma história simples, mas lindaaaaaa! Não tem como não se comover de alguma maneira. E eu adorei essa edição, a capa é linda! Vale a pena ter. Compra!!! <3

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Equipe Epifania | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©