terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Resenha | Orgulho e Preconceito (Jane Austen)




Título: Orgulho e preconceito
Autor: Jane Austen
Editora: Martin Claret
Número de páginas: 480


Sinopse: Jane Austen inicia Orgulho e Preconceito com uma das mais célebres frases da literatura inglesa: "É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro e muito rico deve precisar de uma esposa". O livro é o mais famoso da escritora e traz uma série de personagens inesquecíveis e um enredo memorável. Austen nos apresenta Elizabeth Bennet como heroina irresistível e seu pretendente aristocrático, o sr. Darcy. Nesse livro, aspectos diferentes são abordados: orgulho encontra preconceito, ascendência social confronta desprezo social, equívocos e julgamentos antecipados conduzem alguns personagens ao sofrimento e ao escândalo. Porém, muitos desses aspectos da trama conduzem os personagens ao auto-conhecimento e ao amor. O livro pode ser considerado a obra prima da escritora, que equilibra comédia com seriedade, observação meticulosa das atitudes humanas e sua ironia refinada.





Oi Gente! Como vocês estão?

O livro de hoje é muito especial para mim, pois é da super autora Jane Austen. Isso mesmo, gente, é "só" a Jane Austen. 
Orgulho e Preconceito é um de seus romances mais famosos, já virou filme e mesmo depois de séculos ainda conquista muitos corações.
Espero que vocês gostem do que escrevi e possa a vir a ler esse livro maravilhoso. 








Que livro incrível! Doce, fofo, com amor de acelerar o coração e a oportunidade de conhecer outra época. Demorei um pouquinho para entrar de cabeça na história porque o início é muito calmo, mas depois que a história de conquista, não é você que entra na história, é ela que entra em você.

Jane Austen não é tão famosa, tão querida e tão reconhecida à toa. Realmente essa mulher teve o dom da escrita, da capacidade de mostrar o mundo e marcou as mulheres na literatura mundial. Com uma escrita gostosa e até divertida, apesar de crítica, ela merece muito os fãs que conquistou e ainda vem conquistando através dos séculos.

É claro que não podemos negar que a linguagem é mais densa, afinal, é um romance antigo, mas não achei nada assustador. Dá para ler, entender e acompanhar sem grandes problemas. 

Lizzy é a segunda mais velha de uma família tradicional, não muito rica e com muitos defeitos de caráter na época. Tirando o pai e a irmã mais velha, suas outras 3 irmãs e a mãe são damas um tanto não muito bem vistas pela sociedade. As duas irmãs mais novas só pensam em casal. Como dizem hoje em dia: tem um fogo danado. E a mãe quer que as filhas se casem (as cinco) a qualquer preço.

É importante ressaltar que já vi pessoas dizerem que Elizabeth não é tão a frente de seu tempo assim. Gente, estamos falando de um livro de outro século. Para aquela época ela é muito a frente do seu tempo. Mulheres não se davam o direito de pensar e ser, de alguma forma, independente como ela se mostrou no livro. 

Quando o Sr. Bingley chega a sua cidade, todos ficam curiosos e querendo agradá-lo. Não demora muito para que Jane, a irmã mais velha de Lizzy se interesse por ele e que o rapaz retribua esse interesse. 

Junto com o Sr. Bingley e sua família, está junto com ele seu grande amigo, FitzWillian Darcy , um moço rico, de gosto refinado, poucos sorrisos e importante membro da elite de Londres. Sempre foi acostumado a conviver com pessoas do mesmo nível social, não tem paciência alguma com pessoas que considera inferior, por isso, ele se vê profundamente incomodado com as pessoas ao seu redor quando decide ir a Netherfield Park.

Em uma das festas dadas, um baile, como eles chamavam, Darcy logo descarta não só as moças Bennets como todas as outras, não querendo, inclusive, dançar com as moças por considerá-las "rudes" dentro dos seus conhecimentos de comportamento. Para ele, ali não há uma mulher que mereça que ele perca tempo com sorrisos e galanteios. Lizzy acaba escutando um comentário do rapaz e fica revoltada com seu preconceito com as pessoas do local, criando um conceito de Darcy como um homem muito orgulhoso. A mãe dela também passa a tê-lo em baixa estima e sua fama na família não é de um homem com grandes qualidades.

Bingley e Jane, por sua vez, tornam-se cada vez mais próximos, o que faz com Darcy e Elizabeth tenham que conviver, mesmo com as opiniões controversas que tem um do outro e mesmo achando insuportável ter que se tratarem com cordialidade. Com certa convivência ao passar o tempo, Darcy passa a enxergar Lizzy de maneira mais agradável, e Lizzy de maneira mais tolerável. Percebendo, assim, sua inteligência e coragem.

Depois de um incidente mal explicado, já que Bingley deixa Netherfield Park para voltar a cidade, prometendo voltar, sua família e amigo também partem e deixam Jane com o coração partido. Elizabeth fica triste pela irmã, e aliviada ao mesmo tempo, pois acredita que não terá mais que ver Darcy e nem ter que aguentar seu orgulho imenso.

Mas, para desgosto inicial de Lizzy, ela revê Darcy várias vezes, muito mais do que esperava, e chega a um momento que deseja vê-lo mais do que pode. Agora não é só mais Darcy que a vê de outros olhos, ela também passa a enxergá-lo de outra maneira.

Depois de uma tragédia familiar – lembre-se que é algo considerado tragédia para a época – essas circunstâncias provam a Elizabeth que seu julgamento em relação a Darcy é totalmente errôneo. E Darcy percebe-se apaixonado por ela mesmo contra todas as circunstâncias que o impedem disso, inclusive pedindo-a em casamento. Lizzy nega, mas não demora muito a se arrepender. Ainda mais depois da carta tão sincera e reveladora que o rapaz lhe dá.

Acreditando que não tem como voltar atrás e que o perdeu, ela procura se conformar com o infortúnio de perder seu grande amor. Mas como a vida dá voltas, a vida deles volta a se esbarrar e o amor entre eles é inevitável.

As pessoas podem achar o final bobo, mas para um romance tão antigo é muito adequado. E mesmo nos tempos atuais, acredito que é um final digno de romances que nos comovem.

É um livro que mostra como eram as pessoas de outras épocas, seus costumes, preconceitos, tarefas na sociedade, visão de mundo, manias, enfim, mostra como já fomos um dia, o que melhoramos e o que podemos melhorar.

Sou cada dia mais fã da Jane Austen e acredito que a leitura de suas obras tem que ser obrigatório não só por seu talento como também por sua coragem.


E aí, já leram alguma obra de Jane Austen?



Sobre o Autor:

Natalia MenezesNatalia Menezes |  Twitter  |  Todos os posts do autor
Amante de futebol, música, filmes e livros, sempre foi apaixonada por histórias, seja lá de qual maneira forem contadas. Ama tanto lidar com o abecedário em forma de frases e parágrafos, que acabou se formando em Letras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Equipe Epifania | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©