quarta-feira, 12 de abril de 2017

BBB - Relacionamento Abusivo!

Olá, tudo bem? 

Se você já está por aqui há algum tempo, é possível que já saiba que eu gosto - bastante - de reality show, em especial de Big Brother Brasil. É bem provável que eu já tenha falado alguma coisa ou outra sobre o programa, ao menos uma vez no ano. Pois, sim, todo ano é possível utilizar muitos exemplos do que estamos vendo ali para retratar problemas do nosso cotidiano. Este ano não seria diferente. 

Eu não vou ter a pachorra de inventar desculpas esfarrapadas para justificar o motivo de eu assistir o programa. Não, não é por uma experiência antropológica, não é para realizar um estudo aprofundado da mente humana, nada disso. É por puro entretenimento. É por gostar do formato, me divertir assistindo pessoas confinadas e vendo as estratégias que cada uma traça para tentar alcançar o prêmio máximo de 1,5 milhão de reais. 




Pode parecer absurdo pra você, pode parecer entretenimento de quinta categoria, você pode ter vontade de gritar aos quatro cantos do mundo que isso não é cultura. Mas, trago notícias: 
Eu acho o Programa Pânico um absurdo, acho dezenas de filmes de ação entretenimento de quinta categoria e, veja só você, ainda assim sei que tudo isso é cultura. E, se você ainda insiste que não, cheque o verbete:

cultura
substantivo feminino

  1. 1.
    antrpol conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos, costumes etc. 

  2. 2.
    forma ou etapa evolutiva das tradições e valores intelectuais, morais, espirituais (de um lugar ou período específico); civilização.


  3. 3.
    complexo de atividades, instituições, padrões sociais ligados à criação e difusão das belas-artes, ciências humanas e afins.




Gostando, ou não, é cultura, ok? Mas eu não estou aqui hoje para tentar convencê-lo a gostar do programa, tampouco para tentar provar algo. Como eu disse, trata-se de entretenimento e, assim sendo, pode ser bom pra mim e pra você não. E tudo bem! Temos aí uma gama de coisas para assistir, ouvir, ler... Este post não tem a intenção de defender o programa. Eu só gostaria que você deixasse de lado, um pouquinho, o que pensa sobre ele e prestasse atenção no que eu quero conversar aqui!

O BBB 17 teve início no dia 23 de janeiro deste ano. No primeiro dia, entraram na casa  as gêmeas "Mayla e Emilly" acompanhadas dos gêmeos "Antônio e Manoel". Só no outro dia o restante dos participantes chegaram. Fomos avisados que deveríamos escolher UMA gêmea e UM gêmeo para seguir no jogo e uma votação foi aberta. O público deixou Emilly e Manoel. Manoel teve vida curta na casa. Já Emilly, desponta como favorita ao prêmio. 




Aqui fora, Emilly divide opiniões. No Brasil da polarização, temos os que amam a "gêmea má" incondicionalmente, fechando os olhos para tudo o que a menina faça, e os que a odeiam com a mesma intensidade, não conseguindo perceber quando ela está com a razão e/ou sendo sensata.

Quem não está acostumado com o programa, pode achar tudo isso um grande exagero, mas pra quem já assiste desde a 1ª edição e, a maioria com Pay-per-view (24 horas), já sabe que este tipo de postura é bastante comum por parte dos torcedores.

Pois bem... Como faço parte do segundo grupo, além de já estar acostumada com esse comportamento, também já estou habituada a certos tipos de condutas da Globo. Exemplo: Manipulação nas edições, transformar pessoas em personagens, jogadores estrategistas em vilões e o preferido deles em mocinhos/mocinhas. Tudo bem descarado. 

É bem fácil para quem não acompanha o PPV, ser manipulado pela edição. Assim como em uma novela, a emissora roteiriza o jogo e faz dele o que bem entender. E, dessa forma, vai conseguindo os resultados que deseja, através do único lugar que ela não pode - nem tem interesse em - manipular: a votação do público. 


No entanto, nos últimos anos, algo começou a mudar. Antes, as "tias do sofá" (como são chamadas as pessoas que só assistem as edições, são manipuladas e votam no que a Globo induz) eram quem dominava as votações. De uns tempos pra cá, isso mudou. Uma gama enorme de adolescentes formam fandoms (termo usado para se referir a uma subcultura composta por fãs, caracterizados pela empatia e camaradagem por outros membros da comunidade que compartilhar gostos em comum ) e, simplesmente, viram dia e noite votando em seus favoritos. E são esses adolescentes que fecham os olhos para qualquer outra coisa que esteja acontecendo. Alguns, escolhem quem vão apoiar no momento que saem as fotos dos participantes. Antes mesmos deles abrirem a boca. E seguem com eles até o último dia. 



Neste momento você deve estar se perguntando "qual o problema disso", afinal, é só um programa, só um entretenimento, como eu mesma disse. E, então, chegamos no ponto principal desse post. 

Voltamos à Emilly, a gêmea que citei acima. 

A "gêmea má", como foi apresentada pelo programa logo no início, entrou no programa reprovando a atitude da irmã, que logo na primeira festa trocou uns beijinhos com outro participante. Logo depois, fez com que o mesmo participante que sua irmã beijou, dormisse no chão, pois ela jamais deitaria na cama com um homem ali no programa, por respeito ao seu pai. 
A menina insistiu nesse pensamento, principalmente depois que Vivian passou a ir pra debaixo do edredom com Manoel. 

Junto a isso, um outro participante, Marcos, um médico, vinte anos mais velho, investiu tudo o que pode na gêmea. Detalhe: depois de tentar com quase a casa toda e não conseguir. 


Tendo Emilly como "última opção" - apenas porque, em uma conversa, ela disse que gostava de homens mais velhos - e nunca escondendo esse pensamento, o médico passou a insistir para ficar com a menina, simplesmente, o DIA INTEIRO. Emilly fugia, desviava, corria, dizia ter nojo do cara, e adivinhem!? A produção conseguiu transformar tudo isso numa linda historinha de amor entre o médico apaixonado e a princesa recatada. 

Vendo que Emilly não cedia, a produção deu seu jeitinho. Em uma festa patrocinada pela Trident, colocou no telão um recadinho de uma telespectadora dando apoio a formação do casal. Foi o suficiente para a menina ir dormir pensando estar passando uma imagem de chata para o público, ao negar as investidas do médico. Logo depois, Marcos conseguiu, então, ROUBAR um beijo seu




Dali iniciaram uma relação. 

Desde o início o casal não fez questão alguma de esconder que juntos seriam mais fortes, pois o público gosta de casal. A partir dali, a maior preocupação deles era "fazer VT", como os próprios diziam. Toda conversa, toda cena de carinho, brincadeira, conversa, ou o que quer que seja entre os dois, era feito pensando no VT que poderia gerar. Os dois estavam sempre olhando as câmeras móveis para garantir que estavam sendo observados. Tudo o que faziam era estrategicamente pensado para gerar o tal VT. E gerava. 



A emissora realmente comprou a historinha e fez deles o casal 20 da edição. Emilly foi feita protagonista, mesmo tendo o pior jogo interno de toda a casa. Com um jogo externo bem fraco, teve uma grande ajuda da produção, com twist's para beneficiá-la o tempo todo, inclusive, no meio de um de seus paredões e, também, em provas de resistência, onde sempre foram ignoradas suas infrações.



O que ninguém, nem os menos crédulos - como eu - na relação do casal esperava, é que a menina fosse, de fato, se envolver. 

Um dos motivos principais de Emilly ter conquistado tantos fãs, é o fato de ter perdido a mãe dias antes de entrar no programa. Essa história, triste, foi recontada inúmeras vezes por ela, sempre acompanhada de muito choro. Assim como a história da enchente em sua casa, onde perderam tudo o que tinham. 

Acontece que o próprio namorado da menina percebeu o que nós aqui já havíamos percebido há muito tempo: Emilly chora (?) sem lágrima. 

Prestenção: Eu não estou colocando em dúvida os sentimentos, nem de amor, nem de arrependimento, nem de saudade, ou coisa alguma dela por sua mãe. Pelamor. Cada um sabe o que sente e como sente. Mas fatos são fatos. E ela não derrama uma lágrima quando chora no programa, em pelo menos 98 das 100 vezes em que chora (?). 



No entanto, quando trata-se de Marcos, de seus términos, das brigas mais sérias, as lágrimas escorrem sem que ela precise fazer qualquer escândalo. Ninguém é tão atriz assim, né? (Ou é?) 

Deixemos de lado um pouquinho o que achamos - porque, claro, não passam de achismos - de seus sentimentos, e vamos partir da premissa que Emilly e Marcos são um casal como qualquer outro, de qualquer lugar do mundo. E não me venham dizer que em 3 meses ninguém se apaixona de verdade porque com 3 meses eu já estava morando com meu namorado, óquêi!?

Já tendo seus fãs e seus haters, Emilly e Marcos escancararam sua intimidade para o Brasil inteiro. Viveram tudo o que tiveram de viver, como muitos casais. Riram, brincaram, brigaram. E, como estavam em um jogo, armaram, manipularam (até mesmo um ao outro), mentiram, fingiram... Até que o show de horror começou. 

Desde o início, Mayara e Vivian perceberam quem era o Marcos e o indicaram para o paredão na PRIMEIRA SEMANA por ser um cara - desculpem, não tem outro termo - escroto. 




Relembrando a justificativa das meninas, já na primeira semana elas apontaram como Marcos ficava olhando cada menina nas festas, encarando de forma intimidadora e que chegou até a dizer que "dali três meses iria vê-las nuas na revista mesmo"... Entre outras coisas machistas e...Bem, nojentas! 

O resultado? Marcos ficou, tornou-se favorito e logo depois Mayara foi eliminada.

Triste.

A partir dali, os 'abusos' de Marcos só evoluíram e, aqui fora, os fãs do casal não eram capazes de enxergar o óbvio: Emilly estava envolvida em um relacionamento abusivo!




Marcos a proibia de beber, usava Vivian o tempo todo para fazê-la sentir ciúme e, quando Emilly finalmente demonstrava estar enciumada, era chamada de louca, possessiva e ouvia os berros de um cara que dizia "odiar mulher ciumenta". 




Marcos dizia que é muito feio mulher que segura garrafa de bebida. Assim como, mulher que usa roupa "provocante". 

As qualidades de Emilly, para ele, eram: transar e beijar bem. Apenas. E ele nunca a poupou de ouvir que Vivian era mais evoluída do que ela. 




Emilly nunca pode ter opinião que fosse contrária a de Marcos. Em qualquer momento que ela tentasse opinar, ele simplesmente mandava ela ficar quieta e dizia que o problema dela é não saber ouvir. Mas, na verdade, ele queria que ela SÓ ouvisse. 

Toda vez que Emilly OUSAVA discordar de Marcos, eram gritos e mais gritos. E estes, seguidos de apertos no pulso da menina, na mão, no braço. E os roxos começaram a aparecer...




Passava o dia agredindo a namorada de todas as formas possíveis e, ainda, praticava gastlight. No fim, lá estava ela, se lamentando por mais uma briga, chorosa, se culpando por tudo e justificando todas as atitudes do amado. Claro, ele fez questão de colocar em sua conta toda a culpa por TUDO o que acontecia. E, mesmo tentando reivindicar, no fundo, ela cedia e acreditava ser mesmo a culpada.

Em determinada festa, em uma crise de ciúmes do Doc, ele achou plausível BELISCAR o braço de Emilly para que ela se comportasse. E assim o fez. Repetidas vezes. E mais um hematoma surgiu. 

O que ele não esperava, é que Ieda notasse rapidamente o roxo no braço da garota e, rapidamente, entendesse do que se tratava. Não tardou até que Emilly comentasse na casa que o hematoma se tratava, sim, de beliscões do "amado". 

O inconformismo de Ieda diante da situação não tinha mais a ver apenas com jogo - mesmo sendo ela uma grande jogadora. Ieda estava mesmo preocupada com o que via, afinal, sabia o que estava vendo.

Chegou a verbalizar seus pensamentos com Marinalva e Vivian que, ainda incrédulas, não sabiam como ela deveria reagir. 


E foi na festa do último sábado, que levou o nome de "Festa das Emoções" e deveria ser para aproximar os brothers em lindas homenagens e lembranças exibidas nos telões, que começou uma grande briga logo cedo.

Marcos não admite a amizade de Emilly com Ieda. Sendo para ele, sua propriedade, Emilly deveria obedecê-lo e não passar por cima de suas ordens de manter-se longe de Mama. Mas a gêmea ignora pois realmente acredita no carinho que recebe da participante mais experiente do jogo.

Sem admitir a opinião de Emilly, deu-se início o show de horror da noite. Emilly tentou, a todo custo, mostrar que sua opinião sobre Ieda contra o desgosto de Marcos, era a mesma coisa a respeito da opinião de Marcos sobre Vivian, na qual ela não concordava. Mas, claro, doc não queria nem ouvir. Gritos, gritos e gritos. 

Marcos havia, minutos antes, afirmado com ênfase, que estaria no programa apenas para proteger Emilly e ajudá-la a chegar até o prêmio. Afirmou com todas as letras que desejava que Emilly fosse a vencedora da edição. Mas, durante a festa, comentou que abriria mão do prêmio por Vivian e Emilly e, ao perguntado por Emilly sobre quem ele queria que ganhasse, ele simplesmente se esquivou dizendo que "isso o público que irá decidir". 

Mais uma parte da briga se reiniciou. A ira de Emilly se dava pelo fato de Marcos não assumir na frente de Vivian o que falava por trás. A gêmea o acusou de babar por Vivian e recebeu como resposta um sonoro "SIM, babo sim". 



Completamente sem reação, magoada, sem saber o que fazer, e ouvindo que era louca e insuportavelmente ciumenta, Emilly disse que para ela aquilo era a gota d'água. Marcos debochou, a agarrou com ela dizendo "não" e tentando usar sua força para empurrá-lo. Ele subiu em cima dela, a imobilizou. Era uma cena de filme de terror trash. Não dava pra acreditar que tudo aquilo estava acontecendo e ninguém da produção entrava para interferir.

Por fim, quando a garota conseguiu se desvencilhar dos braços do namorado, tentou dar continuidade na discussão e foi calada, coagida, intimidada. Marcos a encostou em um canto da parede, dedo em riste, colado em seu rosto, e gritos, mais e mais gritos. 

Tudo isso só não foi em frente, pois uma participante acordou com os gritos e interferiu dizendo para ele não fazer nada que pudesse se arrepender depois. Uma mulher! Uma outra mulher, que já sofrera violência doméstica viu essa cena deprimente e foi essa a frase que ela disse. Para que o AGRESSOR não fizesse nada que pudesse se arrepender. Não satisfeitos, o agressor disse que era apenas uma briguinha, deixou Emilly lá e foi sentar-se com Marinalva que achou bem propício o horário para destilar tudo de ruim que pensa sobre Emilly. Excelente momento, né?

Mas não acabou por aí... Terminada a conversa com Marinalva, as discussões em que Emilly teve - novamente - que se defender e contra-atacar, o casal seguiu para o jardim. Ela não queria contato físico, ele a agarrava. Por fim, imobilizou-a no chão, mais uma vez, e batendo a cabeça dela no chão inúmeras vezes, chorou, chorou, chorou, enquanto dizia que tudo aquilo não se passava de uma preocupação desmedida por ela. Tudo era para protegê-la, resguardá-la. Disse, ainda, que já teve a idade dela, já afastou muita gente de perto dele e não queria que ela passasse mais por isso. Mas que, para isso, ela precisava aprender a escutá-lo. (troque a última palavra por "obedecê-lo")



No fim de tudo, ele a propôs de irem para o quarto "transar". 

Emparedado contra Marinalva, eu gostaria de saber que não haveria a menor possibilidade dele ficar na casa por voto. Mas, esperava o óbvio: que ele fosse expulso antes de qualquer coisa. 

Nada disso aconteceu! Os dois foram chamados ao confessionário, saíram e vida que segue. O paredão terminou, e Marcos ficou com 77% dos votos em seu favor. 

Bizarro!

A justificativa, subentendida, foi que: Emilly foi chamada no confessionário e não fez denúncia. Logo, nada de expulsão. 

Absurdo? Muito.

Pensa comigo: Durante 24h por dia, esse casal está sendo monitorado por câmeras. Cada aperto, empurrão, beliscão, cabeça sendo socada no chão e todo controle psicológico, está sendo monitorado sem parar. E, mesmo assim, NÃO VIRAM AGRESSÃO. 

Agora imaginem quantas mulheres, vítimas de violência doméstica, sozinhas em suas casas, pensam em denunciar e viram isso? O que acha que passa pela cabeça delas? 
Respondo com tranquilidade: Se nem com câmeras 24h acreditaram no que foi visto e gravado, imagina eu chegar sozinha, sem qualquer prova e tentar denunciar meu companheiro?

E, mais: quantas mulheres sofrem de controle psicológico e nem sabe o que estão passando? 

O programa de domingo foi uma vergonha nacional! E, assim sendo, mais uma vez colocamos a internet abaixo. O poder das redes sociais hoje em dia é absurdo e altamente eficaz. 

Chamamos a atenção de muitas pessoas e, nisso, a Delegacia Especial de Atendimento a Mulher tomou conhecimento do caso e, através da Delegada responsável, foi até o local em que se encontra a casa do BBB e colheu depoimento do casal, individualmente. Em seguida, foi exigida a expulsão de Marcos do programa como medida protetiva para Emilly. 

O anúncio da saída do jogador foi feito ao vivo e recebido com muita emoção por Emilly que seguiu por boa parte da noite afirmando não ter sido a favor dessa decisão e que tinha certeza que o rapaz não faria mal a ela. 

Volte um pouco até a parte que eu falo dos fãs que fecham os olhos para qualquer ato falho de seus favoritos.



Isso vem acontecendo MUITO aqui fora. E isso é MUITO preocupante. Quando uma menina/jovem/mulher não consegue entender o mal, os danos, o perigo de um relacionamento abusivo... Quando ela não consegue enxergar as agressões e ainda vê amor ali, isso é MUITO perigoso. 

Agressão não é só física. Agressão não é só quando te chutam escada abaixo. Agressão não é só quando te quebram alguma parte do corpo. 

Há várias formas de se agredir. Várias formas de se prender alguém em um relacionamento, e é muito importante que saibamos diferenciar, entender e, principalmente, nos manter longe de alguém que demonstre qualquer indício desses.



Lembram o que eu disse sobre Mayara e Vivian na primeira semana? Pois é. Vocês não têm noção da quantidade de pessoas, esclarecidas até, que defenderam o cara. Sabe por quê? Simplesmente porque estão acostumadas a viverem assim. Porque naturalizam relações tóxicas, diariamente, como se tratasse apenas de livre arbítrio. Você não escolhe ser presa em uma relação. Você não escolhe se anular em pequenas coisas do dia-a-dia até nem perceber o quanto se anulou, porque é feliz assim. Isso não acontece. Você apenas é levada a acreditar que DEVE ser assim. E, quando percebe, nem sabe quem é você de verdade, do que você gosta individualmente, de quem é você sem o outro... Um relacionamento abusivo começa em pequenos atos... E nunca mais para de crescer, de se agravar. E, acreditem: muitos, nem chegam à agressão física. Mas te roubam totalmente de você mesmo. 

O que tem entre Emilly e Marcos não é amor. E não digo isso me referindo ao dinheiro em jogo, à personalidade duvidosa dela, aos surtos dele, ao tempo em que estão juntos...

E, sim, porque entre duas pessoas que se amam, não há espaço para amarras. O nome disso é violência. E violência da vida real NÃO É ENTRETENIMENTO.




Um beijo e até o próximo post!


Liza AlvernazEliza Alvernaz |  Twitter - Skoob |  Todos os posts do autor
Pedagoga, especialista em Supervisão Escolar e Gestão de Ensino. Leitora compulsiva, libriana desastrada, apaixonada por filmes e séries, viciada em internet e corujas. Mora no interior do Rio de Janeiro, mas não desiste de ganhar e mudar o mundo!



Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Como sempre excelente tudo que escreveu ,O que mais me chocou foi quando vc diz que num relacionamento abusivo , te roubam de você mesmo .A vida tem me ensinado muitas coisas nesses dois anos passados , e estou numa luta dura , muito dura ,para voltar a acreditar em mim,porque justamente o que vc fala ,violência não é só física ,e eu acho que a física ainda é melhor que a psicológica , porque se vc conseguir ,vc pode se defender de seu agressor , pode até apanhar mais ,mas pelo menos pode tentar se proteger.A psicológica não , ela vai minando sua força, seu querer , sua auto estima ,até o ponto que vc tem certeza que não serve para nada ,que não é nada .E como estou comentando ,se me permite , isso não acontece só entre casais , dentro de casa ,muitas crianças são agredidas verbalmente e carregam aquilo que ouviram ,como certeza de que realmente são o que ouviram .Então se passaram a vida toda debaixo de agressões psicológicas , como agir quando o relacionamento emocional chega ?Muitas vezes vc pensa que encontrou o príncipe encantado , a alma gêmea , e vai se deixando levar , achando que é tudo normal , até um dia que vc se depara com doenças físicas e mentais ,e tem um caminho doído para percorrer ,para voltar a se encontrar , ou para começar a se conhecer .Adorei tudo que escreveu,me vi muitas vezes ali ,naquelas cenas ,com dedo em riste no nariz , em comentários ofensivos ,não necessariamente ditas por namorado , amante ou marido,muito bom ,ver que vc não é louco , fizeram com que pensasse que era ,e infelizmente essa é a maior prisão que um ser humano pode ter .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente choca quando nos deparamos pela primeira vez com o assunto e nos damos conta do que vivemos (seja no passado ou, ainda, no presente). Mas todos nós podemos reencontrar nossa força, que não nos deixa nunca, apenas fica escondida dentro de nós. Podemos resgatá-la, reaprender nos amar e reencontrar a alegria da vida! É possível. Mas você precisa acreditar, e começar! Não é fácil, mas é possível! Acredite.
      Força! <3

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Equipe Epifania | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©